criptografia de dados

Segurança de site e e-commerce

SSL e SEO: Como a criptografia de dados auxilia no posicionamento de sites?

4 abr , 2017  

Com maior foco em segurança, Google afirmou que passará a indexar páginas com criptografia de dados (HTTPS) e “preferi-las” por padrão.

No mesmo comunicado, publicado no final do ano passado, o buscador afirma ter intensificado a promoção de páginas que fazem a criptografia de dados. Isso porque ele entende que a experiência entre o usuário e o website deve ocorrer de forma privada. Com isso, ambos evitam exposição de informações que facilitaria ataques eavesdropping, man-in-the-middle ou modificação de dados.

 

Quando o Google começou a avaliar a criptografia de dados?

Essa postura do Google em promover o HTTPS começou há algum tempo. Em 2014, por exemplo, o buscador já passou a testar o certificado digital SSL e usá-lo como critério de desempate para melhor posicionar uma página na busca. Esse certificado faz a criptografia de dados, atribuindo segurança à página.

Trocando em miúdos, se após avaliar a otimização (SEO) de duas páginas, ambas tiverem um perfil semelhante, o Google passou a optar pela página com o protocolo HTTPS para que esta aparecesse na busca antes da outra. Antes algo que ocorria apenas como teste, mas agora anunciada como padrão.

O que isso revela é que há uma percepção cada vez mais profunda do Google sobre a importância do certificado de segurança em uma página.

É um movimento natural, já que Google sobrevive da experiência do usuário com os resultados. Se algum deles promover uma experiência negativa e expor o usuário a riscos, isso acarretaria em uma má experiência com o site e com o buscador. Nesse sentido, o Google coloca a experiência do usuário no centro e promove a segurança como um fator prioritário entre as medidas que podem afetar – positiva ou negativamente (no caso da falta de segurança) – essa experiência.

 

Como saber se meu site possui criptografia de dados?

O certificado SSL (abreviação de Secure Socket Layer) é representado pelo cadeado verde e HTTPS na barra de navegação, que atestam que a conexão é segura.

Esses sites certificados possuem uma comunicação criptografada de dados transmitidos entre cliente e servidor. Tais dados só poderão ser acessados por meio de uma “chave”. Já nos sites inseguros, eles costumam transitar de forma livre e integral, sendo mais fácil consegui-los.

 

Em quais situações o SSL será um critério de desempate de SEO?

No caso do Google, ele usará, entre outros aspectos, o SSL como um critério de desempate de páginas similares (HTTP e HTTPS). Durante a busca, seus algoritmos irão privilegiar (ou posicionar melhor) aquela página que possuir o certificado desde que:

● Ela não contenha dependências inseguras;
● Ela não possua links externos on-host para URLs HTTP;
● Ela não tiver um link canônico (rel=”canonical”) para uma página HTTP;
● O servidor possuir um certificado TLS válido;
● O sitemap listar a URL HTTPS ou não listar a versão HTTP da URL;
● Ela não redirecionar usuários para uma página HTTP insegura;
● Ela não tiver uma meta tag de “noindex”;
● Ela tiver bloqueada por um arquivo robots.txt;

Por isso, é muito provável que analistas de marketing passem a adotar o certificado de forma cada vez mais comum de agora em diante. Essa medida os ajudará a posicionar melhor os sites e e-commerces que administram no buscador.

Há uma tendência de que quanto mais educado sobre o uso da internet seja o cliente, mais ele tende a comprar em sites seguros, com criptografia e blindagem. Com a posição do Google, é possível que estes usuários ganhem novos parceiros, mais cautelosos em relação à segurança. Se isso ocorrer, os e-commerces mais protegidos podem sair na frente da concorrência tanto no posicionamento da busca do Google como na percepção do cliente.

Guia básico ssl

Mas, e seu e-commerce? Já está criptografado?

 

Leia também:

Por que o SSL EV ajuda o cliente a identificar a legitimidade do seu site?

O que levar em conta na hora de escolher o SSL?


, ,